Número total de visualizações de página

Translate

Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Gisele Bündchen na Vogue de dezembro.

 
 
Gisele Bündchen volta à capa da revista no próximo mês, num editorial exclusivo fotografado por François Nars. Nas páginas da revista, ela conversa com o director de arte Giovanni Bianco sobre o livro que ela e ele acabam de lançar, com uma selecção de fotos que marcaram os 20 anos de carreira da modelo. O styling é de Patti Wilson,  make up de James Kaliardos, cabelo de Peter Gray e manicure de Gina Viviano.
 
 
 
 

"Celebramos os 40 anos da revista com uma edição histórica em que Gisele Bündchen também comemorou os seus 20 anos de carreira – só o facto de a Vogue ter sido a escolhida por Gisele para realizar o seu maior trabalho (no Brasil e no mundo) num ano tão emblemático para ela já seria motivo para abrir o champanhe no dia 31 com a sensação de dever cumprido", lembra a directora da redação Daniela Falcão, na sua carta do mês. Mas a já histórica edição de maio superou todas as expectativas também após a sua publicação – virou item de colecionador e bateu dois recordes: de vendas e de facturamento, o que não é pouca coisa num ano em que a palavra crise deu o mote de quase todas as conversas."
 
 
 
 


No sua conversa com Bianco, Gisele faz de repórter, mas também fala muito da sua própria vida. "Dos meus 15 até os 25 anos, eu não tenho memória. Para mim, esses dez anos parecem um só. Sábados e domingos nunca existiram na minha cabeça. Trabalhava, basicamente, os 365 dias do ano. Mas graças a Deus que eu tinha a (cadela) Vida, que era a minha companheira, estava sempre comigo, senão sentiria-me muito sozinha", relembra, sobre o início da sua carreira.
"Porque não foi fácil sair de casa, deixar as minhas irmãs, estar longe da minha família aos 14 anos e embarcar nessa jornada. Eu morria de medo do escuro e estava sozinha, vivendo em apartamentos onde algumas modelos usavam drogas", diz.
Sobre o processo de selecção do livro, Bianco diz que a parte que mais difícil foi Gisele convencê-lo a deixar de fora as fotos dela nua clicada por Mario Sorrenti.

 
 

"Nunca Ninguém viu Gisele nua daquele maneira. E tu disses que não te sentias confortável com aquelas fotos – aliás, tu sim, mas o teu marido, o teu pai e a tua família não se sentiam e, por respeito a eles, preferia não usá-las", diz o director. "Eu sofri muito até tu fazeres a coisa mais inteligente do mundo: mostrares o e-mail que o teu marido escreveu, e aquilo cortou o meu coração. Eu falei: Gisele, tira tudo!"
Dá para perceber que a edição está imperdível, não é?
Mushi mushi ...

Sem comentários:

Enviar um comentário